BRASIL, Sul, SAO BORJA, PASSO, Mulher, de 20 a 25 anos, French, Interlingua, Viagens, Política, leituras em geral
MSN -

 

   

    UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  Meu orkut
  meu UOLK - é meio pornográfico... os amigos


 

 
     

       

       


     
     
    Identidade



    Comédias da vida como ela é PRIVADA!

    Já saiu a toa, sem ter rumo certo, pensando em chegar a lugar algum? Me encontro perdida dias desses bem assim... Vagando por ai na noite escura e silenciosa das ruas periféricas do meu bairro... Você já fez sexo com alguém que nunca viu, e só pelo prazer do ato em si o fez, apenas para saciar o desejo incontrolável do corpo e do sangue que inconstante pulsa por entre cada nervinho do corpo? Dias desses... Aquele em que me encontrava perdida nas ruas... Fiz sexo com alguém que nunca vi e que sei que jamais verei novamente.

                Estranho? Não! É uma comédia da vida privada, que em muitos instantes encontramo-nos entre as histórias risonhas de Veríssimo ou a vida como ela é! De Nelson Rodrigues onde cada instante é pautado de muita pornografia, sexo com estranhos, casamentos falidos... Amizades desmedidas, beijos... Tórridos beijus de paixão e desejo...

                Porque viver na constância das coisas comuns? quando é possível ser uma metamorfose ambulante... E sem preocupação com o dia claro ou com a noite fria, porque quem óculos escuros vai além do possível...

                É esse dia foi divertido, Veríssimo que o diga, mas convenhamos nada como viver as aventuras secretas de uma boa moça na lotação urbana, buscando sexo inusitado com estranhos que jamais veremos novamente... Obrigada Nelson por criar as possibilidades de fugir da realidade e sermos um pouquinho vadias secretas... Beijus eu volto! Lins Roballo 21 de novembro de 2009.

     

    Para quem não conhece... a baixo a dama da lotação de Nelsom Rodrigues

     



    Escrito por Lins Roballo às 04h35
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    A majestosa protetora

    Olha como é estranho diante de mais um ano de vida... Fazer esse retrocesso e rever em fotos e fatos o que hoje considero um livro aberto feito ao livre, como belos pássaros, como formosos beija flores e como delicadas borboletas... Viver é uma arte que com o tempo nos ensina que sofrer não é dão dolorido quanto pensamos diante de todas as vitórias, diante de todos os obstáculos vencidos e de toda a estrada percorrida...

    Quando pensamos que todos têm seus ídolos do cotidiano, não imaginamos para quantas pessoas somos "o ídolo"... Como digo sempre a você, quando brigamos, quando discutimos, quando armamos, quando juntas temos que resolver os pequenos e imensos problemas da nossa vida em comum ou quando nos juntamos para rir a toa... É muito mais que minha mãe... Minha protetora... Minha progenitora... É uma amiga especial... Uma confidente prudente, uma guerreira astuta, uma articuladora geniosa, uma chefe exigente e uma poderosa estrutura inderrubável e como dizia o Igor, irmãozinho que por muitas vezes parece um irmãozão pelas palavras ditas assim.

    "desenhei minha mãe como uma grande árvore porque ela com sua polpa enorme, não só é inderrubável como nos protege da chuva, do sol e do vento e com sua polpuda e esplendorosa magnitude ainda consegue com jeitinho proporcionar ninho a muitos passarinhos desabrigados que sem rumo voam... mas aqui em seu leito encontram força, proteção e alimento"

    Isso ele falou quando ainda tinha 5 anos de idade imagina o que não deve pensar dessa muralha hoje com quase doze... Por isso, não agradeço a Deus por ser minha mãe... Digo a ele que maravilhoso foi ele que fez uma pessoa que pode ser mãe dos seus e ainda ser mãe generosa de muitos outros... E como diz naquela musiqueta do padre Marcelo Rossi "o senhor tem muitos filhos, muitos filhos ele tem..." você materializa todo o dia isso, quando em sua porta você acolhe, ouve e orienta, e sem saber o quanto está sendo um porto seguro em meio às tempestades, que muitas vezes nem fazem parte de seu mundo... Beijus iluminada... Beijus iluminadora... Você é mais que tudo... Você é meu mundo. Te amo. Lins Roballo 05 de novembro de 2009.

    A todas as mãe mas principalmente a minha...

    (comentem beijus) 



    Escrito por Lins Roballo às 01h41
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    ENQUANTO CHOVE LÁ FORA

    Enquanto chove lá fora aqui dentro muitas coisas acontecem, sabe trancafiada por conta da chuva, o tempo insiste em passar vagarosamente possibilitando pensamentos e conversas comigo mesma, é bom o tempo assim ele trás aquela sensação de volta a juventude, pipoca, cafezinho e talvez bolinhos de chuva... Meu gato insiste em querer conversar, quer carinho, está também solitário.

                Esse tempo de reflexão é bom para acalmar os pensamentos maldosos, sexuais e algumas mais, a conversa com amigos possibilita uma ligação com o eu, faz bem para que a noite seja mais preciosa, é bom o passar das horas vagarosas, porque de pingo em pingo, os papos noite a fora fluem e talvez possam levar as novas descobertas.

                A música acompanha as gargalhadas, o divertimento e a descontração, juntos mais uma noite nem parece que pouco nos vimos, é estranho às vezes esse tipo de reunião para colocar os papos em dia porque como amigos às vezes parecemos tão estranhos e distantes e isso nos liga novamente.

                Enquanto passo a passo a noite volta para sua morada e se inicia então mais um dia, é recompensador depois de tanto papo jogado fora rever as fotos, rever os amigos e rever nossa opinião sobre certas coisas, aqui no sul, em pleno inverno curtindo mais uma noite, e que noite divertida... Beijus eu volto... Lins Roballo

     

    Musica Para Compor a Leitura

    (comentem o texto beijus)

     

     



    Escrito por Lins Roballo às 03h18
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    DE VOLTA AO FUTURO (DELORI)

                Quem nunca viu aquele fabuloso filme dos anos 90 que tinha um menino e um velho cientista que juntos viajavam pelo tempo em um carro chamado Delori? O texto de hoje vem com esse propósito, traçar uma linha no tempo, quem não queria poder ir a qualquer lugar a qualquer hora e poder ver coisas e presenciar situações que estão presas lá atrás?

                Ter em suas mãos o poder de escolher, ver o que se deve fazer muito antes de ser feito, poder concertar os erros, melhorar o futuro, deslizando pelo passado como um observador das atitudes, das suas atitudes?

                Se tivesse em meu poder essa Delori, esse trem espacial que vaga por entre buracos negros do espaço e do tempo e que tem o poder de transformar as situações, talvez revisse algumas escolhas, tiraria de minha boca algumas palavras que foram ditas a algumas pessoas, escolheria outros caminhos, que mais fáceis me provocariam menos dor, enfim reconcertaria algumas pequenas falhas, reveria e reformularia algumas cenas e apagaria todas aquelas, que dolorosas me instigavam algum tipo de sensação, e como em um filme épico construiria a perfeição...

                Mas que graça teria poder redesenhar tudo de novo se o bonito do desenho está justamente nos erros, que importância teria reescrever o livro se o rascunho ainda é o mais interessante? Alguns poderes às vezes assustam, pois aquele menino, que por muitas vezes viu-se pequeno, viu-se adulto e presenciou seu fim, pode dizer que se a história não fosse como foi não teria a mesma graça e nem o mesmo brilho.

                Ter milhões, carrões e todos aos seus pés nem sempre são o mais justo, o mais doce, o mais divertido. Às vezes a malemolência da vida corrida, da vida sofrida e da vida confusa e conturbada nos trás muito mais ensinamentos do que a fraca aventura de se ter tudo. Pense nisso... beijos eu volto... Lins Roballo

     Musica para compor a leitura...

    (comentem o texto beijus)

     



    Escrito por Lins Roballo às 03h06
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    O AVESSO DO AVESSO

    É complicado nesse contexto social em que se apresentam certas situações que nos dão aquela sensação de que alguma coisa está errada, como se uma roupa estivesse sido colocada ao avesso, são muitos erros e inúmeras desculpas.

    O senado com atos secretos, as políticas que não funcionam, a educação que há muito se encontra estacionada e a saúde que nem conseguiu pegar a ficha para ser atendida. Há quem diga que em 2010 as mudanças chegarão. impossível! Acreditasse que quando a democracia brasileira chegar a sua maioridade possa então tomar partido de uma autonomia que melhore a sua situação.

    As vivencias estão paradas, nos encontramos anestesiados, embora reconheçamos que em muitas situações somos totalmente coniventes ao regime flagelo que se instaurou na nossa política, há ainda quem diga que a sociedade pode ter aquele baque, e perceba as inúmeras facetas que se apresentam, cruéis facetas que se encontram por ai vagando no senado, na rua e nos presídios.

    Esse renascer do coma pode sim ser assustador, como uma pessoa que acorda após anos e demora a assimilar as inovações, não só as inovações tecnológicas, mas as inovações no tal “jeitinho brasileiro” de resolver tudo de uma forma que não atinja ninguém diretamente, e mesmo que atingir alguém, pode se ainda alegar que “se não há morto, não há crime de fato!”.

    O coronelismo há muito vaga por entre nossos votos como um fantasma que insiste em ressurgir, como aqueles vilões perversos que manipulam, maltratam e dominam as massas, como dizia Vargas “as aves de rapina” que a espreita esperam o momento certo para devorar a sua presa sem dó nem piedade.

    Ainda que em contrapartida enfrentemos a dura realidade do poder que inebria e enfraquece o povo e que por vezes despem a realidade e a fantaziam como querem, é realmente “o avesso do avesso”, o lado “b” dessa realidade, o reverso das situações, e quem é culpado? E quem é errado? E quem pode dizer algo contrário? O verso ainda está sujo, pois o avesso nem começou a ser limpo... Cuidado com o que se pensa e o que se diz, pois pode se estar querendo limpar uma roupa que não é sua, e que nem estava no cesto para ser limpa, estava ali apenas para ser esquecida... Beijus eu volto! Lins Roballo. 

     

    Como sempre uma Musica para compor o Texto...

    (comentem Por Favor)



    Escrito por Lins Roballo às 21h43
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    MISTÉRIOS DO ABANDONO

                Há algum tempo eu venho revendo algumas histórias, verídicas ou fantasiosas, misteriosas ou reais, mas que sabe impõe dentro de mim um sentido maior do que sou hoje em dia... Há história que conto hoje é verídica sim, um pouco fantasiosa, com uma pitada de mistério infantil, mas que por durante muito tempo fez parte da minha vida...

                Havia na frente da minha escola um antigo cinema, uma casa caindo os pedaços, com algumas janelas, e com aquela cor amarela meio desbotada, que continha dentro dela muitos mistérios, morava no cinema uma senhora idosa, com muitas marca do tempo em seu rosto, cabelos meio crespos, meio lisos, com aquela cor cinza e algumas mechas brancas aqui e ali...

                Ela era o conto vivo na porta da minha escola, era um cinema abandonado, ou uma casa amaldiçoada? Não sei explicar, mas aquela turrona mulher que vivia ali dentro era como aquelas tenebrosas bruxas dos magníficos contos de fadas, que por vezes pareciam que foram escritos ali, como um personagem assombroso ela vagava envolta de seu castelo abandonado conversando sozinha, não sei se dialogava consigo mesma ou com seus fantasmas.

                Perto do muro do lado de dentro do pátio havia uma majestosa pitangueira, que como à senhora deveria ter seus secretos mil anos, nós subíamos no muro, catar uma a uma as vermelhas pitangas, doces pitangas que se postavam ao alcance de nossas pequeninas mãos, e por inúmeras vezes pude ver a velha sentada à janela de sua casa observando nossa atitude.

    No seu calabouço, presa aos seus tormentos, aquele ser permaneceu por grande parte da minha infância, criando histórias, mexendo com a nossa imaginação, o velho cinema sempre me possibilitou viagens, inúmeros questionamentos sobre quem era ela? Como havia parado ali.

    Com a chegada da adolescência, passei a me preocupar com outras coisas, e sabe um dia, percebi que a velha sumiu, e sem nenhum aviso o cinema e também havia sumido, juntamente com a casa abandonada, e toda a magia que ali estava presa, não sei para onde levaram a personagem, sei que ainda na minha memória persiste a lembrança daquele quadro em preto e branco, coberto de luz e assombrado de histórias que a velha casa possibilitou, aquele misterioso cinema vivo, então como a minha infância sumiu... Beijus eu volto... Lins Roballo 

    Música Para compor a Leitura

    (comentem please)



    Escrito por Lins Roballo às 04h54
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    EM QUEM CONFIAR

     

    De tempos em tempos reconheço que é necessário questionar sobre “confiança”, em quem confiar quando tudo parece por um fio a desmoronar nos penhascos da vida? Confiança é a base de alto estima, amor por outrem, fortalecimento de amizades e outras inúmeras coisas que movem esse mundo cheio de pessoas extremamente diferentes.

                Há dias que realmente questiono se é bom estar com pessoas que você julga suas amigas e que por vezes mostram o contrário, tive já inúmeras decepções pela vida a fora e acredite mais triste, não é saber que as pessoas podem te decepcionar, mais triste é sentir que não se pode confiar em alguém.

                Ser uma loba solitária que na penumbra da noite caça sua presa, ou ser componente de uma alcatéia que por vezes conquistam coisas juntas? É difícil esse tipo de escolha, pode-se morrer de fome sozinha, mas também se pode morrer de abandono em grupo, onde os mais fortes sempre acharão um jeitinho de sobreviver, nem que para isso tenham que devorar os seus.

                Para se ter consciência de trabalho em grupo é necessário que o grupo todo pense igual, mas isso, caro amigos não existe, pensar em socialismo onde o que impera é a lei do mais forte, do mais jovem, do mais perverso, do mais esperto e do mais cruel é por vezes utópico. O mesmo acontece se você for pensar em amizade, dento de um grupo onde apenas se espera a oportunidade certa para a tacada final.

                É um circulo vicioso, sempre se quer mostrar que o poder é de todos quando o poder é talvez de quem chegue primeiro. Bem fazem as raposas que esperam todos dormirem, inclusive o dono do galinheiro para chegar sorrateiramente e desfrutar solitária da sua vitima, e quem é vitima nessa história? O pobre criador de galinhas, as galinhas ou a abandonada raposa?

                Fica o conselho aos desavisados, não durmam cedo, não deixem fresta abertas e nem pensem em não se cuidar, porque a raposa pode chegar, mas saibam que ela também temerosa e solitária cuida-se da loba que pode estar à espreita esperando ela se distrair e acabar coma vida dela.

                Confiança mais que tudo é medo, desconfiança, desprendimento, solidão e cuidado. Um dia ouvi dizer por ai em algum lugar que, melhor é marcar território e fazer com que acreditem que você não está preocupado, e esperar, porque “vingança” é um prato que se come frio e a vitória é dos solitários. E por mais que esses solitários encontram-se acompanhados ainda assim devem prezar pela sua solidão, porque vai chegar um momento que talvez você não seja o caçador, mas a caça, talvez não seja o malvado predador, mas a pobre vitima... Beijus eu volto... Lins Roballo

     

     MÚSICA PARA COMPOR O TEXTO...

    (COMENTE DEPOIS OK)



    Escrito por Lins Roballo às 20h42
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    VI, GOSTEI E RECOMENDO...

    Um adolescente se apaixona por uma mulher mais velha e vive intenso romance. De uma hora para outra, ela some de sua vida. Cerca de oito anos depois, ele reencontra essa parte de seu passado ao participar de um polêmico julgamento de crimes cometidos pelos nazistas na segunda grande guerra. Dirigido por Stephen Daldry (As Horas) e com Ralph Fiennes, Kate Winslet e Bruno Ganz no elenco. Vencedor do Oscar de Melhor Atriz

          

    TRAILER DO FILME...

    O que você seria capaz de fazer para esconder um segredo? Resolva este mistério. A sociedade acredita que é guiada pela moralidade mas isto não é verdade. O premiado diretor de "As Horas", Stephen...
    Porque cinema é muito mais do que pipoca!


    Escrito por Lins Roballo às 13h01
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    MÚSICAS CONTAM TUDO SOBRE NÓS...

    Sabe aquela pergunta que por algum tempo circula pela nossa mente, “se minha vida fosse uma música seria?” difícil responder esse tipo de questão, porque depende muito do tipo de situação que se está vivendo, se for um momento mágico pode-se explicar ele através das infantis e inocentes musicas das Kely Kis, Wanessas, Sandys e outros tipos de artistas que de tempo em tempo criam esse tipo de canção.

    As músicas românticas embalam as noites, as tardes e as vezes até as manhãs dos corações apaixonados, é como diz Cazuza “Amor da minha vida daqui até a eternidade...” há também canções como a de Cássia Eller que explicam totalmente esse amor, perdido amor, ‘se lembra quando agente chegou um dia acreditar, que tudo era para sempre...Sem saber que o para sempre, sempre acaba...” e acreditem não é essa mudança de estações que muda a lógica dos corações apaixonados, a vida em si explode modifica e edifica muitas coisas, a gente que sempre tem o costume de “rasgar pano nobre pura seda” como expressa Legião Urbana, para valorizar as pessoas e os momentos... e quando algumas coisas caem por terra, a gente tem o costume de dizer “quero colo, vou fugir de casa, posso dormir aqui com você?” Como se fugir dos problemas e abandonos fosse a solução mais rápida.

                É canções dizem muito sobre nossa vida, refletem na gente os momentos que queremos que os outros percebam, por isso é necessário fazer como dizia Rauzito, “eu prefiro ser, essa metamorfose ambulante... do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo...” e ainda nos nossos mais rebeldes dias de solidão é fácil gritar “viva!!! Viva!!! Viva a sociedade alternativa...”, é complicado quando se tem muita coisa para explicar sem muita palavra para expressar, imaginem só você dizendo para a mãe que “o amor é bossa nova, sexo é  carnaval...” e seguindo tudo isso é que daí “tudo vira bosta!!!” e viva Rita Lee que embalava nossa juventude, ou pelo menos a minha... quando para explicar o prazer de estar com alguém você diz “meu bem você me dá água na boca” e isso tudo “de tanto imaginar loucura” e claro não esquecendo a trupe Kid Abelha que dizia “tira essa bermuda faz cara de mistério... uhhhh eu quero você como eu quero...” porque “...longue do meu domínio você vai de mal a pior... vem que eu te ensino como ser bem melhor”.

                Nada como as noites de verão, as frias tardes de inverno, as flores da primavera e as folhas caídas do outono para dar uma renovada nas relações e “é bem assim que estou... é tudo que restou...” Sandy e Jr, separados mostram que o tempo é corrosivo e até termina com alguns laços que poderiam ser inatingíveis. O tempo, ah o tempo! ele é dono de todo o destino,  é real aquela história de “viva o hoje, porque o amanhã nem chegou ainda...” e provavelmente jamais chegue... É duro saber que se tem que viver dia após dia, a espera de nada... A espera de um “turo, turo aqui dentro...” e perceber que alguma coisa diferente está novamente acontecendo... E assim a vida segue, sobre essa lógica bem mundana... “O mundo dá voltas...” e nossa como ele gira, como as coisas modificam e como Roberto Carlos dizia em uma das suas canções... “Hoje eu ouço as canções que você fez pra mim... não sei por que razão tudo mudou assim... ficaram as canções e você não ficou...” beijus eu volto... Lins Roballo

    Música para compor a leitura...

    (comentem depois)

     



    Escrito por Lins Roballo às 13h56
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    COMO EXPLICAR...

               

                Como explicar aquela sensação de retorno, reverenciar fatos passados, um verdadeiro “Déjà vu”, essa semana estou tendo um verdadeiro reinicio do fim das coisas que já passaram... uffa!!! Esse retorno me deixou um pouquinho temerosa sobre o que realmente plantei, sobre o que realmente estou a colher.

                Eu passei dois longos anos pensando e pensando como seria esse reencontro com o passado, e para falar a verdade foi bem mais que eu esperava, foi bem mais que eu queria, foi muito mais que eu pensei... O papo foi reconciliador e preencheu novamente aquele espaço vazio que havia ficado.

                Voltar a rever o passado quando ele bate a sua porta é às vezes temerosamente estranho, você tenta empurrar essas coisas para bem adiante, o papo do rompimento, os erros passados, o medo de ter errado ao terminar e sentir aquela vontadinha de voltar, o medo... O medo... Ter esse medinho é muito bom, você pensa que não vai haver esse medo, mas existe sim, pois ele faz parte do processo de reconciliação.

                Bom passada a noite, depois de longas 7 ou 8 horas de papo, de colocar a vida em dia, de colocar as noticias em dia, falar das coisas que nesse longo espaço de tempo foi feito de ambas as partes, e tudo resolvido, amigos? “Amigos”... Passa então o frio da barriga, o medo e o travamento em falar certos assuntos. Agora fazer um cafezinho, tomar nosso coffe-break e então aproveitar essa reunião de um nós bem melhorado com o passado concertado, com o presente melhorado e quem sabe um futuro divertido... Beijus eu volto

     

    MÚSICA PARA ACOMPANHAR...

    (escute para entender)

     

     

     

     



    Escrito por Lins Roballo às 09h46
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    FRIO, CAFÉ, CIGARRO E MPB...

                É no gélido e solitário inverno que algumas coisas ganham mais a atenção dos corações solitários da madrugada. Quebrar o gelo da solidão com pequenos goles de café, acompanhados de um auto suicídio lento e indolor a cada tragada do cigarro. A música fica de pano de fundo mantendo a profunda melancolia, e a cada frase concretizada, confirmando minha deixa de abandono.

                O banho antes de iniciar cada papo longo e duradouro com as teclas empoeiradas do PC, com a telinha fosca e brilhante e talvez pescar na imensidão das salas de bate-papo a salvação. Há muito tempo me questiono se essa falta de mim mesma é a apenas o reflexo desse abandono?? Não pensem vocês que estou só, até tenho muita gente ao meu lado, muitos papos no dia a dia, muita correria e produção, mas ainda assim é constante esse sentimento de solidão. Sólida solidão!

                O frio entra por cada porinho do meu corpo o que indica sangue correndo, vida e essas coisas, mas se não fosse o cafezinho para por ordem na mente, aquecer o corpo e me alegrar, e só ele consegue agitar dentro de mim uma ansiedade que a muito vem morrendo. Bem o cigarro acaba e vida continua... Que triste forma de acabar com tudo, uma forma longa e duradoura, talvez pelo medo de acabar de uma vez, ou pela esperança que algum dia mude.

                As músicas vão passando e de som a som o sono vem e com isso o “stop” de mais uma noite... É está passando mais um dia, e não foi hoje, o dia que decidi mudar, nem foi o dia de tudo acabar... Vai seguindo... Talvez mais um cafezinho acompanhado do último cigarro da noite retome o amor pela vida... Beijus eu volto

    Uma música para a compor o texto...

     



    Escrito por Lins Roballo às 01h46
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    VI, GOSTEI E RECOMENDO!

    CAFÉ DA MANHÃ PLUTÃO

    "O Café da Manhã em Plutão: Um elo com a Nova História Cultural. Na Irlanda, durante o final da década de 50, uma mulher abandona seu filho na porta de uma igreja. O padre Bernard encontra o bebê e entrega aos cuidados de Ma Bradem, uma senhora de personalidade rigorosa, que mais tarde ao especular sobre homossexualidade do garoto revela bruscamente não ser mãe dele. A partir daí, Patrick começa a busca pela sua mãe verdadeira, ao mesmo tempo em que sua identidade sexual desabrocha. Patrick “Kitten” Branden cresce numa cidade no interior da Irlanda num período marcado por conflitos com sua escola católica e atentados do ira. A vida de Patrick caminha junto ao contexto da Nova História Cultural, enfatizando as rupturas sociais, as práticas religiosas e a multipluralidade étnica e cultural, além de conectar as políticas em um nível micro, a qual Michel Foucault chama de “microfísica”.
    O filme aborda protestos político-sociais numa época em que o republicanismo irlandês lançava bombas e praticava atos terroristas. O conflito girava em torno dos católicos e protestantes, no qual os primeiros queriam a unificação com a República da Irlanda e os últimos desejam continuar na Grã-Bretanha. Patrick “Kitten” presencia alguns bombardeios, inclusive no decorrer do filme Kitten é o principal acusado em bombardear uma danceteria e matar um soldado.
    Podemos ressaltar a orientação sexual de Kitten como um dos pontos de destaque no filme e relacionar com a Nova História Cultural. As roupas, a maquiagem e os gestos corporais deixam o espectador embaraçado em atribuir Patrick ao gênero masculino, pois sua fisionomia aponta para o viés tido como “modelo” feminino. A História Cultural retrata a importância do vestuário como demarcação da história dos espaços, bem como frisa a importância da definição de uma sociedade e cultura. Patrick é ‘considerada’ travesti não só pelo mesmo ter o reconhecimento de sua orientação sexual, mas por usar uma vestimenta e acessórios que reforcem sua identidade sexual para a sociedade. Os gestos do corpo estão ligados também ao debate da Nova História Cultural, sendo considerados cruciais para o estudo de uma cultura. Atualmente, por exemplo, já existem discussões sobre a cultura dos travestis, ou seja, isso mostra o quanto cresce a multiplicidade cultural em nosso mundo, revelando inúmeras facetas da sociedade.
    O desfecho do filme desenrola em Londres, local onde Patrick vive momentos de diversão e drama, além descobrir o paradeiro de sua mãe. Patrick inventa uma história forjada de uma companhia telefônica como pretexto para conhecer sua mãe, entretanto, não revela ser filho dela. A fotografia e os recortes (religioso, social e sexual) das cenas demonstram de forma enfadonha e ao mesmo tempo afável, a realidade de Patrick “Kitten” Branden diante de tantos obstáculos de nossa contemporaneidade. "

    seta3.gif (99 bytes) Críticas

    nota Resumo
    10

    Joey (Crítica do Leitor): "Gostei pela trilha sonora, pela fotografia impecável. Um dos melhores do Festival do Rio deste ano! Um filme com poesia."
    8

    Márcia Drumond (Crítica do Leitor): ""Pussy" defende-se da dor de forma peculiar: transforma-a em ironia, rindo e debochando da própria desgraça. Protege a alma delicada, mesmo que num corpo masculino, de sofrimentos maiores do que a vida já impõe."
    8

    Mateus Beleza Rocha
    (Crítica do Leitor): "O único problema deste filme é o excesso de músicas (que são boas) em sua trilha sonora." Texto completo
    10

    Jonas
    (Crítica do Leitor): "A interpretação de Cillian Murphy é digna dos grandes astros do cinema." Texto completo
    8

    Viviane França (Crítica do Leitor): "Um belo e sensível filme." Texto completo
    10

    Iris (Crítica do Leitor): "Uma história duríssima contada com tanta dignidade e pureza." Texto completo
    10

    Priscila
    (Crítica do Leitor): "Falar de sexualidade, terrorismo e política sem descer do salto não é pra qualquer um." Texto completo
    10

    Tony
    (Crítica do Leitor): "A pureza de Pussy é algo que encanta." Texto completo
    10

    Alicia June
    (Crítica do Leitor): "Muito acima de minha expectativa. Belas interpretações do Cillian Murphy e Liam Neeson e músicas belíssimas. Cinema europeu me agrada muito."
    10

    Robson
    (Crítica do Leitor): "Um filme delicado que te faz sorrir e chorar. Uma lição de vida!"
    9

    Delvecclio Trivelato (Crítica do Leitor): "Muito bom. A trilha sonora é perfeita e bem humorada. Vale a pena assistir, pois é bem divertido."
    9

    Ana Gabi (Crítica do Leitor): "Trilha sonora magnífica, uma bela história. Uma comédia bem poetizada, se assim posso dizer. Recomendo a todos os amantes de cinema!"

     

       

       

      

    Treiler do filme.

     

     

    AH TODOS UM BOM CAFÉ DA MANHÃ.... EU VOLTO.

    Informações sobre filmes vá em

     

     

    Porque cinema é muito mais do que pipoca!

     



    Escrito por Lins Roballo às 08h45
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    Maravilhoso... essa música tem tudo haver com a vida amorosa das pessoas decididas... olha só baixem, ousam e vejam bem atradução... é tudoooooo...

    mas olha comentem... é importante para mim que os comentes fiquem registrados... espero que gostem... prometo estar mais presente no blog e poder postar coisas interessantes para vocês... kises e kises... até mais... eu volto...



    Escrito por Lins Roballo às 18h51
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    NOITES E NOITES

     

    Agora acordada em plena madrugada, pensando, tomando um cafezinho, esperando a chuva que se arma cair, esperando talvez você chegar, bater em minha janela e sair correndo brincando com meus sentimentos, brincando com minhas lágrimas, olha só não tem como não escrever romantismos bobos ao som de KLB, dizendo para mim coisas bonitas, essa noite foi agitada, essa noite foi calma... o agito do lado de fora em nenhum instante me fez querer outra coisa se não os braços apaixonados de alguém que prometa carinho e aconchego, de alguém que me acolha e sem perguntas e nem planos apenas me ame muitos anos, é isso que quero, um mar de rosas, um oceano de ilusões, uma mistura de amor e paixão, um emaranhado de sentimentos que me deixe inebriada e me faça esquecer das tristezas.

                Quero mais que aventura sexo esporádico, quero mais que beijo roubado, quero mais que carinho passageiro, essas noite assustadoras, sombrias, caladas e solitárias muitas vezes me assustam e amedrontam. Agora embalada por Caetano dizendo que hoje não vou mais chorar, e pra começar eu só vou gostar de quem gosta de mim... nossa que triste, quem gosta de mim, quem gosta de nós, quem gosta, quem quer por ai gostar, sem ser gostar por gostar, mas gostar muito mais do que superficialidade, muito mais que a simplicidade de gostar.

                Noites e noites, essas noites me incomodam não por estar solitária na frente do computador com inúmeras pessoas que de instante e instante perguntam no meu msn se quero “TC”, não! Não quero “TC”, quero conversar dialogar, demonstrar o quanto sou real e apaixonante, quero corpo, suor, quero digital, quero pele, pêlo, e tudo mais que a interação humana pode permitir a dois, quero uma noite diferente, quero enfim estar com você, pena que ainda não encontrei esse você, será que sou o você de alguém?, Será que sou o norte ou leste que conduz o caminho de algum Don Quixote que vem a muito enfrentando os muinhos de vento para me salvar, será que o Don Ruan me traz as flores prometidas, será que esse Zorro mascarado vem me buscar... Será? essa noite é mais do que a espera de alguém é o inicio do fim, ou o fim do inicio? Lins Roballo 05 de julho de 2009 – madrugada. beijus eu volto.



    Escrito por Lins Roballo às 06h26
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




    QUANTO ESTÁ VALENDO

               

     

     

    Você já se perguntou quanto vale a beleza de estar ao seu lado? Esses dias indo para a faculdade foi a mim proferida esse tipo de pergunta, e sabe no momento em que ouvi não sabia o que realmente deveria responder, quanto vale, estar na frente do espelho arrumando o cabelo, maquiando os olhos, pintando a boca e escolhendo uma boa roupa para sir de casa? Quanto vale, acordar sempre mais cedo porque na hora de sair você tem que estar bonita? Quanto vale o estudo investido durante anos da sua vida e pensar que você pode dizer... Sou universitária, será que isso tem algum valor no mercado de carnes vivas que perambulam pelas ruas a vender os próprios corpos?

                Não sei realmente, se respondesse, o quanto acho que estou valendo, se o moço na minha frente pagaria, mas sabe esse tipo de pergunta me coloca para baixo e responder me firmaria naquela situação, quanto estou valendo, pelas palavras proferidas gentilmente e educadamente, essas adquiridas em anos de estudo, podia ter dito milhões... Mas não, apenas respondi que não estava estudando e me dedicando a entender a lógica das conjunturas da vida em grupo, de uma determinada sociedade para no fim responder, quanto valia minha presença ao lado dele. A vida e a cultura não se resumem em Quanto? Quando? Por quê? Vivemos a procurar espaços sociais que nos aceitem, somos parte desses espaços e dessas utopias de vida, não aceito que as pessoas sempre vejam que a compra ainda é o melhor jeito de chegar e adquirir algo, ter dinheiro é muito bom, mas ter dignidade é mais recompensador! 

                Adiante dessa discussão sobre o quanto estava valendo minhas voluptuosas carnes, expliquei que estava ali para também saciar meus desejos, assim como ele, mas ainda assim era mecânica a pergunta de quanto está valendo? Quem está valendo mais aqui, eu ou você? Nosso desejo? Seu desejo? Meu desejo? Quem deveria pagar quem, quem deveria perguntar a quem, quem deveria dispor do dinheiro, da farra de pagar, da farra de ser pago, do estado de estar comandando a situação, seja financeira, seja corporal, seja de desejo. Quem realmente queria ser pago ou queria pagar? quem realmente queria estar ali... A vida segue e continua o que passou está lá atrás, não paguei, não fui paga, realizei o desejo e saciei o meu... Um dia normal? Não um dia de ir a universidade adquirir conhecimento e desfrutar do espaço onde vou fazer da minha história algo melhor... Espero que não perguntem mais o quanto estou valendo porque com certeza vou responder... MILHÕES. Lins Roballo – 04 de julho de 2009. Eu volto...       

     

     



    Escrito por Lins Roballo às 16h55
    [   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]